Arquivo da categoria ‘Carnaval’

Globo, Carnaval e Propaganda

Publicado: 17 de fevereiro de 2010 em Carnaval
Anúncio na TV provoca polêmica
Rio – O clima andou quente entre a Grande Rio e a TV Globo. No domingo, a Ambev veiculou na emissora um novo comercial, tendo o gari Renato Sorriso como estrela, com o samba-enredo da escola como música de fundo. O anúncio termina com o trecho que a escola de Caxias levaria à Avenida na segunda: “Vibra arquibancada/Explode/O camarote Número 1”, numa clara alusão à cervejaria.
A Globo comunicou o fato à Liesa, já que um contrato proíbe a veiculação de trechos dos sambas antes dos desfiles, principalmente em propagandas. Uma queixa partiu ainda da Nova Schin, rival da Ambev e patrocinadora oficial da Liesa.
A Grande Rio chegou a ficar ameaçada de perder dois pontos, mas pedido de desculpas e a suspensão do comercial na TV resolveram o problema. Ontem, antes do desfile da escola de Caxias, o presidente Hélio de Oliveira disse que a questão estava encerrada.
“Não existe isso de perder ponto. A intenção da Grande Rio jamais é ferir nenhum contrato”, afirmou Helinho.
Carnaval na Globo tem guerra entre anunciantes
Durante a transmissão carioca do Carnaval na rede Globo, a passagem da Grande Rio se deu com restrições.
O samba da escola incluiu a marca de cerveja Brahma: “Das Arquibancadas ao Camarote Nº1, Um ‘Grande Rio’ de Emoção Na Apoteose do Seu Coração!”.
A emissora resumiu o título da música para “Um ‘Grande Rio’ de Emoção Na Apoteose do Seu Coração!”, a letra deixou de ser exibida e a voz do interprete entrou somente quando não existia nada que comprometesse o patrocínio da cervejeira concorrente Schin.
A marca patrocinou a Globo, inclusive com direitos a entrevistas do seu camarote (Devassa).
Consultada, a emissora confirmou a existência de um contrato com todas as escolas, que lhe assegura o direito de suprimir toda e qualquer mensagem comercial.
Polêmica: Globo diminui som durante refrão do samba da Grande Rio
A transmissão da segunda noite do carnaval carioca pela TV Globo foi marcada por uma cena inusitada. Durante o desfile da Acadêmicos do Grande Rio, que contava os 25 anos do sambódromo carioca e que era patrocinado por uma cerveja, a emissora optou por reduzir o som do refrão do samba da agremiação. Por várias ocasiões, no momento em que o intérprete Wantuir cantava o trecho “camarote número 1”, a emissora aproveitava para reduzir o volume.
Globo não mostrou em detalhes o abre-alas que fazia referência ao “camarote número 1”

A TV Globo teria tomado a medida para não desagradar um dos patrocinadores da transmissão, uma cervejaria concorrente. Além disso, o carro abre-alas da agremiação não foi mostrado detalhadamente. Nele, a escola reproduzia o sambódromo e o “camarote número 1”, mantido pela cervejaria na Sapucaí.
Transmissão
A cobertura dos desfiles realizadas pela TV Globo neste ano não desagradou apenas aos torcedores da Grande Rio. Em sites especializados na cobertura da folia, vários internautas criticaram a transmissão, que, neste ano, não se preocupou em apresentar as escolas ala por ala, e era interrompida frequentemente por entrevistas nos camarotes e em estúdio.
Uma das maiores reclamações foi em relação à “Esquina do Samba”, na qual o jornalista Chico Pinheiro e os comentaristas recebiam vários convidados no estúdio. Por diversas vezes, a emissora interrompeu a transmissão do desfile para entrevistar os convidados e houve momentos que mesmo durante o desfile de uma agremiação, os entrevistados cantavam o samba de uma escola concorrente.
Neste ano, a Rede Globo trocou o diretor responsável pela cobertura do evento. Boninho e Roberto Talma assumiram a vaga de Aloysio Legey e implantaram várias novidades, como a realização de shows para a produção das vinhetas dos sambas-enredo, a veiculação de pequenos documentários durante os desfiles e o novo formato da “Esquina do Samba”.
Rosas e chocolate
Componentes desfilam com roupas que lembram o cacau, tema do samba enredo da Rosas de Ouro
Componentes desfilam com roupas que lembram o cacau, tema do samba enredo da Rosas de Ouro
Depois de 16 anos na vontade, a paulista Rosas de Ouro leva a melhor. Por uma diferença de 0,25 sobre a Mocidade Alegre, vencedora no ano passado, a escola ganha seu nono campeonato. O resultado foi decidido na última nota: comissão de frente. Últimas colocadas, a Imperador do Ipiranga e Leandro de Itaquera foram rebaixadas para o grupo de acesso.
No Sambódromo, os 4,5 mil componentes divididos em 24 alas contaram a história do chocolate e da produção do cacau. Por isto, o samba enredo Cacau: Um Grão Precioso Que Virou Chocolate Sem Dúvida, Se Transformou no Melhor Presente!
A frase original era “Cacau é show”, mas foi retirada da letra por não ser permitida a realização de propaganda e ações de merchandising disfarçado durante a apresentação. No entanto, a presidente da escola, Angelina Basílio, negou o patrocínio: “Não foi patrocínio. Foi uma parceria de R$150 mil que serviu como ajuda de custo para as fantasias, materiais de escritório e para as trufas que foram distribuídas para o público”.
A agremiação recebeu o apoio da marca de chocolates Cacau Show. A presidente da Rosas de Ouro, Angelina Basílio, resolveu alterar a composição do enredo.
A escola homenageou o personagem Willy Wonka, da Fantástica Fábrica de Chocolate.
Fundada em 1971, a agremiação condecora a Rosa de Ouro, que o Papa Gregório II (que viveu no século VIII) instituiu. Só eram dignas de uma rosa de ouro – peça forjada por ourives – as virtuosas princesas católicas. As peças eram abençoadas no quarto domingo da quaresma e depois distribuídas às eleitas.
Terra Magazine
http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI4268571-EI6581,00-Rosas+e+chocolate.html
Perlla faz participação em trio de Eliana em Salvador

Odara Gallo

Enviada especial do EGO em Salvador

Sob um sol escaldante e um calor de cerca de 35°C, milhares de crianças acompanharam ao lado de seus pais o trio elétrico comandado por Eliana. A apresentadora, que participa do carnaval da Bahia há cinco anos, optou por um repertório variado e tocou desde sucessos de Ivete Sangalo e Cláudia Leitte até hits infantis, como “A galinha magricela” e “Chiuaua”.

Já perto do final da apresentação, o público foi surpreendido com uma atração surpresa, a participação da cantora Perlla. A funkeira cantou alguns de seus sucessos intercalando com outros funks cariocas.

Sandra Lopes/Globo.com

Perlla canta no trio de Eliana

Sandra Lopes/Globo.com

Eliana comanda seu trio

Sandra Lopes/Globo.com

A multidão segue o trio da loira

http://ego.globo.com/Gente/foto/0,,18236054-TNH,00.jpg

O ex-diretor da ala da bateria da Estação Primeira de Mangueira, Valdir de Oliveira, o Mestre Gato, está desaparecido desde terça-feira (5), segundo policiais da 17ª DP (São Cristóvão). Os policiais receberam a informação durante perícia realizada na quadra da escola nesta sexta-feira (8). Mestre Gato ocupou o cargo de diretor enquanto o músico Ivo Meirelles era presidente da bateria, e chegou a substituí-lo por um dia, quando Ivo deixou a escola, em dezembro.

Testemunhas ouvidas pelo G1 disseram que ele teria sido vítima de um atentado, na terça-feira (5), quando foi perseguido por dois motoqueiros armados. Reticentes, eles não quiseram precisar o horário e apontar o local. Mas garantiram que Gato continua vivo e estaria refugiado, fora do morro.

Gato renunciou ao cargo de diretor de bateria quando assumiu a nova presidente, Eli Gonçalves, a Chininha, no lugar de Percival Pires. No dia seguinte, a comissão da escola escolheu para o seu lugar Jorge Costa de Oliveira, o Mestre Taranta, e para o de Ivo, George Teixeira Gomes, o Bill.

Muito amigo de Ivo, Gato chegou com outros integrantes da antiga bateria na 17ª DP, no dia 16 de janeiro, para prestar solidariedade ao líder do Funk’n Lata, quando ele prestou depoimento sobre a existência de uma suposta passagem secreta ligando a quadra ao morro. Ivo negou tudo e foi liberado. Na saída da delegacia, recebeu o abraço de Gato e de outros integrantes da antiga bateria.

Investigado por homicídio

Gato, embora não tenha sido reconhecido pelos policiais durante a ostensiva confraternização, tem seu nome nos autos de investigações da delegacia sobre o desaparecimento de Robson Roque, presidente da bateria morto em dezembro de 2004. No procedimento 017-06095/2004, ele aparece como testemunha e suspeito de envolvimento no homicídio.

A morte de Robson Roque teria sido a mando do traficante Alexander Mendes da Silva, o Polegar, preso em Bangu 3. Uma concorrente derrotada no concurso que escolheu a madrinha da bateria da Mangueira seria ligada ao traficante Francisco de Paula Testas Monteiro, o Tuchinha, que na época era o chefe do tráfico no morro e que hoje está foragido.

Mas, de acordo com as investigações, os autores do assassinato seriam Tuchinha, Jorge Luís Monteiro dos Santos, o Mancha, Carlos Leandro do Nascimento, o Tiriri, Wanderson Felício Aguiar, o Lamparina, Leandro Monteiro, o Pitbull, José Carlos Ferreira da Silva, o Pará, e Jonas da Silva, o Gordo. Este último, foi executado pelos antigos cúmplices no alto do Morro da Mangueira, em outubro do ano passado. Segundo a polícia, eles descobriram que ele estaria passando informações a policiais sobre a localização de armas e drogas.
Autor: Agol Fonte: ANTONIO QUEIROZ

Punição por tapa-sexo de 4 cm foi injusta?

Publicado: 7 de fevereiro de 2008 em Carnaval
A São Clemente foi punida por levar para a avenida o menor tapa-sexo da história dos desfiles
A escola de samba perdeu meio ponto por levar para a Apoteose uma mulher com a “genitália à mostra”, segundo jurados da apuração do carnaval do Rio de Janeiro.

O acessório, de apenas 4 centímetros, foi grudado no corpo de Viviane Castro com a cola instantânea Super Bonder.

Na concentração, ela se preparava para o desfile sem se preocupar com os olhares indiscretos. “Estou super à vontade. Não tenho nenhum problema em ficar nua. Faz parte da personagem”, disse Viviane, que sai fantasiada de índia. Antes dela, o menor tapa-sexo do Sambódromo havia sido usado pela atriz Viviane Araújo.

A imagem “https://i1.wp.com/www.paraiba.com.br/paraiba-noticias/jsp/noticias/images/temp/tapasexopolemico.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

Modelo entrou com o menor tapa-sexo já usado no carnaval / AFP


Detalhe do tapa-sexo usado por Viviane / AP

De A Tribuna On-line

Uma mulher de 26 anos foi presa na madrugada desta terça-feira no município de Jardim, em Mato Grosso do Sul, após deixar a filha de quatro anos dentro do carro durante uma festa de carnaval de rua, segundo informações da Polícia Civil e do Conselho Tutelar da cidade.

O investigador Davi Luiz Olinski disse que a criança começou a chorar e despertou a atenção de pessoas que passavam pela rua, que chamaram a polícia. Os responsáveis foram chamados pelo sistema de som e presos em flagrante pelo crime de abandono de incapaz.

Além da mulher, foi preso um homem que estava com ela. Segundo a polícia, os dois foram soltos após o pagamento de fiança.

O coordenador do conselho, Vandir Nogueira, disse que a mulher alegou que a filha dormia quando a deixou no carro e que a todo momento ia olhar como ela estava. Um dos vidros do carro estava parcialmente aberto.

A menina está em poder do Conselho Tutelar e será entregue à avó materna, que deverá assinar um termo de responsabilidade. As informações são do G1, da Globo.

http://atribunadigital.globo.com/bn_conteudo.asp?cod=340988&opr=81


Na última nota, Vai-Vai conquista título

Publicado: 5 de fevereiro de 2008 em Carnaval

Vai-Vai é campeã em SP, seguida pela Mocidade, que ficou em segundo. Águia de Ouro e Camisa Verde e Branco são rebaixadas

AE
Comunidade lota a rua para comemorar título da escola

A escola de samba Vai-Vai conquistou, nesta terça-feira, pela 13ª vez o título do carnaval de São Paulo na última nota. Levando para a avenida o samba-enredo “Vai-Vai Acorda Brasil”, a agremiação somou 90 pontos.

A Mocidade, com o enredo “Bem-vindo a São Paulo. Sabe por quê? Porque São Paulo é Tudo de Bom!!!”, ficou em segundo lugar, também totalizando 90 pontos.

Como houve empate entre Mocidade e Vai-Vai, o valor mais alto dado para harmonia decidiu a campeã. Com isso, a Vai-Vai ganhou o carnaval 2008, pois na última nota deste quesito, a Vai-Vai recebeu 10 e a Mocidade, 9,75.

Caso essa nota também fosse semelhante, os próximos critérios de desempate seriam: evolução, bateria, fantasia, mestre-sala e porta-bandeira, comissão de frente, enredo, samba-enredo e alegoria.

Na terceira posição do carnaval em São Paulo ficou a Unidos de Vila Maria (89,75 pontos), com o enredo “Irashai-mase, Milênios de Cultura e Sabedoria no Centenário da Imigração Japonesa”. Nas duas últimas posições, foram rebaixadas Águia de Ouro e Camisa Verde e Branco.

A maior campeã do carnaval em SP

“Magnífico e perfeito”, esses são apenas alguns dos adjetivos usados por especialistas para descrever o desfile da Vai-Vai. A escola veio ao carnaval de 2008 disposta a superar a terceira colocação conseguida no ano passado.

Com a conquista, a agremiação, que fez uma belíssima homenagem ao Instituto Bacarelli, associação que oferece gratuitamente formação musical e artística às crianças carentes da favela de Heliópolis, tornou-se a maior campeã do carnaval de São Paulo.

Novidades no regulamento

A ordem dos quesitos foi sorteada na tarde de segunda-feira, pela Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo, na presença dos presidentes das escolas de samba do grupo especial e de acesso do carnaval de São Paulo.

Este ano foram introduzidas novas regras no Regulamento Oficial do carnaval de 2008. Os quesitos foram reduzidos de 10 para nove, sendo que Letra do Samba e Melodia foram unificados passando a ser Samba Enredo. Além disso, na apuração, foi descartada a maior e a menor nota, sendo que cada escola poderia ter até 90 pontos.

Desfile das campeãs


O desfile das escolas de samba campeãs no carnaval 2008 de São Paulo acontece na sexta-feira, às 22h, no Anhembi. O tempo de cada desfile é de 60 minutos.

Ordem das apresentações

Vice-campeã do Grupo de Acesso

Campeã do Grupo de Acesso

Tom Maior

Rosas de Ouro

Vila Maria

Mocidade Alegre

Vai-Vai

(*com informações da Agência Estado)

Águia de Ouro e Camisa Verde e Branco são rebaixadas para o Grupo de Acesso
Redação 24HorasNews


A Águia de Ouro e a Camisa Verde e Branco tiveram a menor pontuação na apuração do Grupo Especial do Carnaval de São Paulo e, em 2009, desfilarão pelo Grupo de Acesso. A Vai-Vai é a campeã deste ano.

A Águia apresentou no sambódromo os cinco sentidos aguçados pelo sorvete com o enredo “A Taça da Felicidade, Uma Viagem Pelos Sentidos às Delícias do Sorvete”. Na apuração dos quesitos, a escola ficou com 87 pontos.

Durante o desfile, coreografias feitas pela bateria marcaram a apresentação. A escola desfilou com cerca de 3.500 componentes em 25 alas e teve problemas no quarto carro, o que causou um grande espaço entre os setores.

A Camisa Verde e Branco desfilou o enredo “Da Pré-História ao DNA: a História do Cabelo eu Vou Contar!” e obteve 86 pontos na apuração.

Durante o desfile, mostrou a importância histórica do cabelo por meio personagens mitológicos, de histórias infantis e crenças religiosas. A escola, que havia retornado do Grupo de Acesso, se apresentou com aproximadamente 3.000 componentes divididos em 25 alas.

http://www.24horasnews.com.br/index.php?mat=243968

A quebradeira tomou conta do circuito Dodô na madrugada deste domingo. Com a apresentação das bandas Fantasmão, à frente do bloco Traz a Massa, e Psirico, no Universitário, todo mundo quebrou até o chão no Farol.

Com o rosto pintado e as fantasias de fantasma, que já são marca do grupo, o vocalista Eddy Sacanagem comandou a apresentação do Fantasmão. O cantor, que já passou pelo Cocha Bamba e pelo Parangolé, não deixou ninguém parado na avenida.

Mas durante a passagem do bloco, os olhares dos foliões também tiveram outro foco: na parte da frente do carro de apoio do bloco, a ação publicitária de uma malharia levou para a avenida dua mulheres somente com o corpo pintado. Não foram poucos os foliões que deixam de dançar para ficar admirando a “paisagem”.

Antes, o bloco A Barca chegou ao Farol da Barra com vontade de ganhar o título de mais animado da avenida. Puxado pela banda Bafafá, deu um show de coreografias, puxadas pela vocalista Mariela, que faz neste ano seu segundo carnaval.

A animação começou com o tradiconal grito de “esquerda” e “direita” para os foliões. Nenhum folião do blco ficou parado com as ondas da multidão para um lado e para o outro. Depois de um breve descanço, foi a vez da própria multidão fazer suas coreografias, puxadas por um grupo mais animado na frente do trio.

Com energia de sobra, Mariela caprichou na procução para este sábado. Na produção, o vestido com fenda para mostrar as pernas preparadas especialmente para a folia e até um cocar de plumas. Isso sem se descuidar da guitarra, já que a bela também é uma das guitarristas da banda.

À frente do bloco Trimix, o cantor Netinho apostou na mistura de ritmos no começo de sua apresentação no circuito Dodô. Em frente ao Farol, botou a multidão para dançar ao som do sucesso do Bonde do Maluco, “Não vale mais chorar”. A música está na boca do povo e no carnaval não poderia ser diferente: coro para acompanhar o refrão.

Netinho também deu exemplo de civilidade ao parar a banda para denunciar uma briga entre foliões em frente ao Beco da Off Club. “Quem está aqui para brigar tem que ficar de fora da festa”, anunciou de cima do trio.

Este é o segundo carnaval depois que o cantor resolveu voltar ao comando da folia. Em 2007, ele retornou aos trios elétricos após uma parada de três anos investindo em outros ritmos.

Daniela Mercurypassou logo antes pelo Farol. Depois de um pequeno atraso, o trio independente da cantora não deixou ninguém parado no Farol da Barra. Com seu tradicional corpo de bailarinos, a cantora veio a bordo de um trio com dois andares, sendo o de cima um palco para as coreografias e para os convidados. Neste sábado, quem dividiu os microfones com a baiana foi o carioca Seu Jorge, que emprestou seu vozeirão para clássicos do carnaval e da MPB como “É hoje”, de Caetano Veloso e “Isso aqui o que é”, de Gonzaguinha.

Já para os sucessos do carnaval baiano, Daniela assumiu sozinha os microfones. E tirou todo mundo do chão. Com o trio sem cordas, a bela arrastou uma multidão animada até Ondina. Em cima do trio, mais uma homenagem: ao Ilê Ayiê, com uma das dançarinas vestida com as cores do bloco. Este carnaval é especial para Daniela, já que ela comemora os 15 anos de lançamento de seu primeiro disco, “O Canto da Cidade”

A Banda Jammil puxou o bloco Eu Vou, que entrou na disputa dos foliões mais animados da noite. O vocalista Tuca Fernandes já entrou no circuito cantando a música Lança Lança, que causou polêmica no Carnaval de 2005, quando o cantor foi indiciado pela polícia, acusado de fazer difusão da substância entorpecente lança-perfume. A letra foi composta pelo baixista da banda, Manno Góes.

O bloco passou apertado neste início de percurso. Nem os associados escaparam do forte empurra-empurra. Em determinado momento, uma briga do lado de dentro das cordas abriu um clarão no meio da multidão apertada, tudo isso ao ritmo de Quebraê, um dos sucessos da Banda Asa de Águia.

O grupo foi com todo o gás para chegar até Ondina, mesmo depois de ter enfrentado uma viagem para o Rio de Janeiro neste sábado. A banda foi uma das atrações ao vivo de hoje do programa “Caldeirão do Huck”, na Rede Globo.

A imagem “https://i2.wp.com/www.atarde.com.br/fw/img/2007/05/marca.jpg” contém erros e não pode ser exibida.