Arquivo da categoria ‘No Limite’

No Limite: a corretora Eneida é a primeira eliminada do programa

Agora, são os taibas Ronaldo e Índia que estão na berlinda

Rede Globo/Rede G
Rede Globo/Rede Globolobo

Eneida e Zeca Camargo no momento da eliminação da corretora

A quarta temporada de No Limite conheceu sua primeira eliminada no último domingo, 2: com 57% dos votos, a paraense Eneida,da Tribo Manibu, deixou o programa. A corretora de imóveis de 33 anos perdeu a disputa para Bia na preferência do público. Já fora da tribo, Eneida diz ter se surpreendido com o grau de dificuldade da competição.

– Esperava que fosse um jogo mais de aventura e não tanto de sobrevivência, confessa a paraense, que teve a escassez de alimento como seu maior adversário.

– Nas primeiras 72 horas eu senti muita fome e pensei em desistir – afirma. Na sua tribo, ela se identificou muito com Marcelo, mas aposta em Rafão como vencedor.

– Ele é muito forte tanto física quanto psicologicamente e está determinado a chegar à final – diz a corretora de imóveis, que tem Bia como seu desafeto.

– Ela é chata, mandona, temperamental e nunca olhou nos meus olhos.

Entre os integrantes da Taiba, Eneida considera Guimarães um grande candidato a vencedor.

– Ele é muito rápido, mas a Índia também é muito forte – pondera.

‘Basquete Diferente’ decide prova da imunidade

Os Taiba Ronaldo e Índia estão na berlinda até quinta-feira, 6, decidida numa disputa ocorrida no sábado, dia 1º. Na prova, as duas tribos foram divididas em trincas para disputar uma espécie de basquete com muito contato físico, jogado em um lago raso. A equipe que fez três cestas saiu campeã. A Manibu, no início, abriu duas cestas de vantagem sobre a Taiba, que logo reagiu e empatou o jogo. Jéssica decidiu a favor da equipe laranja, que venceu sua primeira prova e recebeu macarrão, molho de tomate e bolo de fubá como prêmio.

(No vídeo, equipe Manibu vence prova da imunidade)

http://video.globo.com/Portal/videos/cda/player/player.swf

Restou à tribo derrotada escolher dois de seus integrantes para encarar a decisão do público no próximo portal; e aí, Ronaldo, que recebeu quatro votos do grupo, e Índia, indicada pela líder Sandi, disputam a permanência no jogo. Sandi, que completou 30 anos no último domingo, foi sorteada para assumir a liderança da equipe laranja.

Ovos ou galinhas? Taibas tiveram dilema na prova da comida

As tribos disputaram, na sexta-feira, dia 31 de julho, a prova ‘Morro acima’, uma corrida nas dunas. Denise, da Taiba, disparou e chegou na frente de todos. Seus companheiros também se saíram bem e a equipe azul venceu mais uma vez. O grupo, que ultrapassou a linha de chegada primeiro, ganhou alimentos e precisou tomar uma decisão bem mais simples: matar as galinhas e degustá-las ou deixá-las vivas e desfrutar dos ovos que possam colocar. Depois da prova, em meio a discórdias, o grupo resolveu matar uma galinha e deixar as outras para conseguirem alguns ovos.

(No vídeo, reveja a vitória dos Taiba na prova)

http://video.globo.com/Portal/videos/cda/player/player.swf

Com a vitória, os Taiba receberam quatro galinhas vivas, arroz e batatas. A tribo Manibu ganhou como prêmio de consolação apenas um quilo de feijão. Após mais esta derrota, Marcelo fez um desabafo.

– Não podemos perder mais gente! Não podemos perder mais comida, não podemos perder mais nada -, disse o domador de cavalos.

No Limite vai ao ar ao vivo, às quintas-feiras, depois de A Grande Família, e aos domingos, logo após o Fantástico. Ao longo do dia, a Rede Globo exibe flashes, de um minuto cada, mostrando a rotina das tribos. De segunda a sexta-feira, antes do Jornal da Globo e aos sábados, após Zorra Total, é exibido ainda um programa de cinco minutos com o resumo das atividades do jogo daquele dia. A direção de núcleo é de José Bonifácio de Oliveira, Boninho, e a direção geral é de Carlos Magalhães, Luiz Paulo Simonetti e Roberto Naar.

No Limite estreia quinta-feira, dia 30, com novas regras e provas ao vivo

O ganhador da quarta edição leva para casa R$ 500 mil

Divulgação /TV Globo

Zeca Camargo comanda a quarta edição de No Limite

Um paraíso perdido, recortado por dunas, praias desertas e lagoas belíssimas. Esse é o cenário do programa No Limite, que estreia quinta-feira, dia 30. Exibido diretamente de Flecheiras, uma cidadezinha a mais de duas horas de Fortaleza, no Ceará, o programa tem a direção de núcleo de José Bonifácio de Oliveira, o Boninho, e a apresentação de Zeca Camargo. O reality show de ação e convivência conta com 20 participantes vindos de diferentes regiões do Brasil, divididos em duas tribos de 10 integrantes cada, que disputam o prêmio final de R$ 500 mil. O segundo colocado recebe R$ 100 mil e o terceiro R$50 mil. Para colocar a mão nessa bolada, o vencedor tem que sobreviver às provas, às dificuldades da natureza selvagem e ao julgamento do público.

Vigiados por câmeras durante as 24 horas dos 62 dias de jogo, os participantes enfrentam duas eliminações por semana: uma será no domingo e outra na quinta-feira, em programas ao vivo. Mas a grande novidade desta quarta edição de No Limite é a participação do telespectador no destino dos jogadores. Depois de sobreviverem ao cansaço, à escassez de alimentos e às adversidades de um cotidiano inóspito, os integrantes ainda têm de enfrentar o público para permanecerem no jogo.

– Os participantes têm que ‘disputar’ por comida e melhores condições para enfrentar os dias difíceis que terão por lá. Algumas provas dão a imunidade a uma tribo, mas é o público que ao final de cada Portal escolhe quem fica e quem sai – explica Boninho.

Os telespectadores podem votar por telefonemas, pelo site do No Limite e através do celular, via mensagens SMS, popularmente conhecidas como torpedo.

A votação, aliás, já começou. Até domingo, dia 26, o telespectador pode escolher entre Marcelo C., 31 anos, empresário em Recife, ou Marcelo F., 22 anos, estudante da Bahia, para ser o 20º participante desta edição de No Limite. Os dois disputaram com Maurício, 29 anos, carioca e promotor de eventos, e com Roberto, 28 anos, empresário de Natal, a prova exibida ao vivo no Fantástico do último domingo, por Zeca Camargo. Os quatro tiveram que correr por uma pista de lama, vencer alguns obstáculos, desamarrar um recipiente, pegar uma bola dentro deste, voltar pela mesma pista e acertar a cesta de basquete que estava no ponto de onde partiram.

Nova dinâmica e mais emoção

Quanto ao jogo, as regras são simples: os participantes passam por provas de resistência, habilidade e raciocínio. Em poucas delas os jogadores podem contar com a sorte. Os participantes, com profissões diferentes e entre 25 e 45 anos, são obrigados a dormir cada qual no acampamento de sua equipe as tribos Manibu, de cor laranja, e a Taiba, azul.

As tribos ficam distantes entre si, aproximadamente, 40 minutos de caminhada. Ambas também estão a 40 minutos do Portal e todos os deslocamentos são feitos a pé. Portal é o lugar onde as equipes se encontram com Zeca Camargo. Às quintas-feiras, o participante que perde a prova de Imunidade enfrenta o Portal e decide com quem vai para a votação. O público tem até domingo para escolher um jogador para deixar a tribo. E no domingo, após a eliminação de um dos indicados, o jogo recomeça: quem perde a prova de Imunidade encara Zeca e a nova votação no Portal, para o público decidir o eliminado até a próxima quinta-feira.

Cada participante entra na disputa com o mínimo possível: a roupa do corpo, duas camisas e um casaco. Só mesmo vencendo as provas que acontecerão às segundas, terças, sextas-feiras e sábados para ter direito a regalias, como faca, cantil ou até comida. Algumas provas dão como prêmio à tribo vencedora mantimentos. Outras itens de sobrevivência, ou – quem sabe? – alguns “artigos supérfluos”.

Já outros desafios garantem a imunidade ao grupo: a equipe derrotada tem de escolher dois de seus integrantes para a eliminação. Eventualmente os participantes votam em seus companheiros de tribo para passarem uma pequena temporada no exílio, ou seja, isolado do restante do grupo. Por motivos diferentes, em algumas etapas do jogo, Zeca dá as instruções para esta escolha. Mas o apresentador não é portador apenas de orientações rígidas. Uma vez por semana, os jogadores têm um merecido descanso e podem curtir passeios e festas.

Aventureiro experiente

O comando da atração fica por conta de Zeca Camargo, que já apresentou as três edições anteriores de No Limite. O apresentador é o responsável por conduzir o programa ao vivo, a única pessoa que não está nas tribos que interage com os participantes quando estiverem no Portal e faz a ponte do reality com o público. Cabe a ele também anunciar o eliminado do dia e os integrantes da próxima eliminação.

– Estou adorando a volta do programa porque estava com saudades. Eu curti muito fazer o No Limite e já se foram sete anos desde o último, comemora o apresentador.

Zeca não apresentará o Fantástico enquanto No Limite estiver no ar. Ele também fica em Flecheiras. Não isolado como os “sobreviventes” do jogo, mas distante das viagens e reportagens que está acostumado a fazer. Para acompanhar o ritmo dos participantes e poder exigir de cada um o “limite” de seus esforços, Zeca tratou de entrar em forma:

– Comecei a frequentar uma academia de ginástica e a nadar para aumentar minha resistência física. Serão dois meses acompanhando esses bravos concorrentes – conta Zeca.

Produção

A equipe do No Limite tem cerca de 150 profissionais entre diretores, câmeras, produtores, figurinistas, cenógrafos, produtores de arte além das equipes de iluminação, som e técnica. Começaram a trabalhar há mais de três meses, quando saíram pelo Brasil procurando os interessados a entrar nesta aventura. Ao todo, foram selecionados mais de mil candidatos em todo o Brasil. Paralelamente, outros profissionais projetavam e realizavam a reforma de um velho galpão para a equipe do programa passar os dias acompanhando de longe, só através das câmeras, a rotina dos participantes.

Primeiro reality a ser produzido e apresentado no Brasil, No Limite teve sua primeira edição exibida em 2000, também contou com a direção de Boninho e consagrou o formato do programa.

– O Brasil foi um dos primeiros países a produzir realities e a Globo pioneira, como sempre – lembra Boninho.

Outra novidade nesta edição é que, ao contrário das anteriores, as eliminações serão ao vivo:

– Nas demais edições, não contávamos com as mesmas tecnologias que temos atualmente e nem tínhamos o domínio sobre o formato reality. Gravamos o programa e depois exibimos com o intervalo de algumas semanas. Nesta edição, enquanto eles estão lá batalhando pelo prêmio, o telespectador está em casa assistindo ao dia a dia deles pelos flashes diários que teremos ao longo da programação e às eliminações ao vivo no domingo e na quinta-feira.

No Limite vai ao ar ao vivo, aos domingos, logo após o Fantástico, e às quintas-feiras, depois de A Grande Família. Ao longo do dia, a Rede Globo exibirá flashes, de um minuto cada, mostrando a rotina nas tribos. De segunda à sexta-feira, antes do Jornal da Globo será exibido ainda um programa de cinco minutos com o resumo das atividades do jogo daquele dia, e aos sábados, após Zorra Total.

O site oficial do No Limite contém informações e curiosidades sobre o jogo e a rotina dos participantes, diretamente do paraíso perdido onde acontece a luta pela sobrevivência. Vídeos, fotos e notas exclusivas esquentarão o clima para o programa na TV e manterão o telespectador por dentro da aventura durante 24 horas por dia. O público também poderá votar gratuitamente pela internet, escolhendo o participante que deve ser eliminado. No Limite estreia quinta-feira, dia 30, logo após A Grande Família. A direção de núcleo é de Boninho e a direção geral é de Carlos Magalhães, Luiz Paulo Simonetti e Roberto Naar. A cenografia fica por sob o comando de Leila Moreira e a direção de Arte de Luis Fernando Cardoso.

Confira abaixo os selecionados para a quarta edição do No Limite. Os participantes são divididos em duas tribos: a Manibu, de cor laranja, e a Taiba, azul.

TRIBO MANIBU


Bia, 24 anos, turismóloga, Rio de Janeiro


Eneida , 33 anos, corretora de imóveis, Pará


Felipe, 27 anos, professor de educação física, São Paulo


Jessica, 25 anos, aeromoça, São Paulo


João, 30 anos, publicitário, Rio de Janeiro


Julia, 26 anos, empresária, Santa Catarina


Luciana, 38 anos, bombeira, Goiás


Luiz, 35 anos, empresário, Rio de Janeiro


Marcelo, 30 anos, domador de cavalos, Rio Grande do Sul


Rafão, 28 anos, comerciário, Minas Gerais

TRIBO TAIBA


Alexandre, 29 anos, feirante, Rio de Janeiro


Denise, 27 anos, instrumentadora, Rio Grande do Sul


Gabriela, 28 anos, psicóloga, Minas Gerais


Gilson, 36 anos, bombeiro, Rio Grande do Sul


India, 30 anos, lutadora, Bahia


Marcelo F., 24 anos, estudante, Bahia


Osmar, 31 anos, enfermeiro, Santa Catarina


Ronaldo, 54 anos, empresário, Minas Gerais


Sandi, 29 anos, advogada, Rio de Janeiro


Sibele, 24 anos, relações públicas, São Paulo

No Limite estreia quinta-feira, dia 30, com novas regras e provas ao vivo

O ganhador da quarta edição leva para casa R$ 500 mil

Divulgação /TV Globo

Zeca Camargo comanda a quarta edição de No Limite

Um paraíso perdido, recortado por dunas, praias desertas e lagoas belíssimas. Esse é o cenário do programa No Limite, que estreia quinta-feira, dia 30. Exibido diretamente de Flecheiras, uma cidadezinha a mais de duas horas de Fortaleza, no Ceará, o programa tem a direção de núcleo de José Bonifácio de Oliveira, o Boninho, e a apresentação de Zeca Camargo. O reality show de ação e convivência conta com 20 participantes vindos de diferentes regiões do Brasil, divididos em duas tribos de 10 integrantes cada, que disputam o prêmio final de R$ 500 mil. O segundo colocado recebe R$ 100 mil e o terceiro R$50 mil. Para colocar a mão nessa bolada, o vencedor tem que sobreviver às provas, às dificuldades da natureza selvagem e ao julgamento do público.

Vigiados por câmeras durante as 24 horas dos 62 dias de jogo, os participantes enfrentam duas eliminações por semana: uma será no domingo e outra na quinta-feira, em programas ao vivo. Mas a grande novidade desta quarta edição de No Limite é a participação do telespectador no destino dos jogadores. Depois de sobreviverem ao cansaço, à escassez de alimentos e às adversidades de um cotidiano inóspito, os integrantes ainda têm de enfrentar o público para permanecerem no jogo.

– Os participantes têm que ‘disputar’ por comida e melhores condições para enfrentar os dias difíceis que terão por lá. Algumas provas dão a imunidade a uma tribo, mas é o público que ao final de cada Portal escolhe quem fica e quem sai – explica Boninho.

Os telespectadores podem votar por telefonemas, pelo site do No Limite e através do celular, via mensagens SMS, popularmente conhecidas como torpedo.

A votação, aliás, já começou. Até domingo, dia 26, o telespectador pode escolher entre Marcelo C., 31 anos, empresário em Recife, ou Marcelo F., 22 anos, estudante da Bahia, para ser o 20º participante desta edição de No Limite. Os dois disputaram com Maurício, 29 anos, carioca e promotor de eventos, e com Roberto, 28 anos, empresário de Natal, a prova exibida ao vivo no Fantástico do último domingo, por Zeca Camargo. Os quatro tiveram que correr por uma pista de lama, vencer alguns obstáculos, desamarrar um recipiente, pegar uma bola dentro deste, voltar pela mesma pista e acertar a cesta de basquete que estava no ponto de onde partiram.

Nova dinâmica e mais emoção

Quanto ao jogo, as regras são simples: os participantes passam por provas de resistência, habilidade e raciocínio. Em poucas delas os jogadores podem contar com a sorte. Os participantes, com profissões diferentes e entre 25 e 45 anos, são obrigados a dormir cada qual no acampamento de sua equipe as tribos Manibu, de cor laranja, e a Taiba, azul.

As tribos ficam distantes entre si, aproximadamente, 40 minutos de caminhada. Ambas também estão a 40 minutos do Portal e todos os deslocamentos são feitos a pé. Portal é o lugar onde as equipes se encontram com Zeca Camargo. Às quintas-feiras, o participante que perde a prova de Imunidade enfrenta o Portal e decide com quem vai para a votação. O público tem até domingo para escolher um jogador para deixar a tribo. E no domingo, após a eliminação de um dos indicados, o jogo recomeça: quem perde a prova de Imunidade encara Zeca e a nova votação no Portal, para o público decidir o eliminado até a próxima quinta-feira.

Cada participante entra na disputa com o mínimo possível: a roupa do corpo, duas camisas e um casaco. Só mesmo vencendo as provas que acontecerão às segundas, terças, sextas-feiras e sábados para ter direito a regalias, como faca, cantil ou até comida. Algumas provas dão como prêmio à tribo vencedora mantimentos. Outras itens de sobrevivência, ou – quem sabe? – alguns “artigos supérfluos”.

Já outros desafios garantem a imunidade ao grupo: a equipe derrotada tem de escolher dois de seus integrantes para a eliminação. Eventualmente os participantes votam em seus companheiros de tribo para passarem uma pequena temporada no exílio, ou seja, isolado do restante do grupo. Por motivos diferentes, em algumas etapas do jogo, Zeca dá as instruções para esta escolha. Mas o apresentador não é portador apenas de orientações rígidas. Uma vez por semana, os jogadores têm um merecido descanso e podem curtir passeios e festas.

Aventureiro experiente

O comando da atração fica por conta de Zeca Camargo, que já apresentou as três edições anteriores de No Limite. O apresentador é o responsável por conduzir o programa ao vivo, a única pessoa que não está nas tribos que interage com os participantes quando estiverem no Portal e faz a ponte do reality com o público. Cabe a ele também anunciar o eliminado do dia e os integrantes da próxima eliminação.

– Estou adorando a volta do programa porque estava com saudades. Eu curti muito fazer o No Limite e já se foram sete anos desde o último, comemora o apresentador.

Zeca não apresentará o Fantástico enquanto No Limite estiver no ar. Ele também fica em Flecheiras. Não isolado como os “sobreviventes” do jogo, mas distante das viagens e reportagens que está acostumado a fazer. Para acompanhar o ritmo dos participantes e poder exigir de cada um o “limite” de seus esforços, Zeca tratou de entrar em forma:

– Comecei a frequentar uma academia de ginástica e a nadar para aumentar minha resistência física. Serão dois meses acompanhando esses bravos concorrentes – conta Zeca.

Produção

A equipe do No Limite tem cerca de 150 profissionais entre diretores, câmeras, produtores, figurinistas, cenógrafos, produtores de arte além das equipes de iluminação, som e técnica. Começaram a trabalhar há mais de três meses, quando saíram pelo Brasil procurando os interessados a entrar nesta aventura. Ao todo, foram selecionados mais de mil candidatos em todo o Brasil. Paralelamente, outros profissionais projetavam e realizavam a reforma de um velho galpão para a equipe do programa passar os dias acompanhando de longe, só através das câmeras, a rotina dos participantes.

Primeiro reality a ser produzido e apresentado no Brasil, No Limite teve sua primeira edição exibida em 2000, também contou com a direção de Boninho e consagrou o formato do programa.

– O Brasil foi um dos primeiros países a produzir realities e a Globo pioneira, como sempre – lembra Boninho.

Outra novidade nesta edição é que, ao contrário das anteriores, as eliminações serão ao vivo:

– Nas demais edições, não contávamos com as mesmas tecnologias que temos atualmente e nem tínhamos o domínio sobre o formato reality. Gravamos o programa e depois exibimos com o intervalo de algumas semanas. Nesta edição, enquanto eles estão lá batalhando pelo prêmio, o telespectador está em casa assistindo ao dia a dia deles pelos flashes diários que teremos ao longo da programação e às eliminações ao vivo no domingo e na quinta-feira.

No Limite vai ao ar ao vivo, aos domingos, logo após o Fantástico, e às quintas-feiras, depois de A Grande Família. Ao longo do dia, a Rede Globo exibirá flashes, de um minuto cada, mostrando a rotina nas tribos. De segunda à sexta-feira, antes do Jornal da Globo será exibido ainda um programa de cinco minutos com o resumo das atividades do jogo daquele dia, e aos sábados, após Zorra Total.

O site oficial do No Limite contém informações e curiosidades sobre o jogo e a rotina dos participantes, diretamente do paraíso perdido onde acontece a luta pela sobrevivência. Vídeos, fotos e notas exclusivas esquentarão o clima para o programa na TV e manterão o telespectador por dentro da aventura durante 24 horas por dia. O público também poderá votar gratuitamente pela internet, escolhendo o participante que deve ser eliminado. No Limite estreia quinta-feira, dia 30, logo após A Grande Família. A direção de núcleo é de Boninho e a direção geral é de Carlos Magalhães, Luiz Paulo Simonetti e Roberto Naar. A cenografia fica por sob o comando de Leila Moreira e a direção de Arte de Luis Fernando Cardoso.

No Limite tem novo esquema de exibição

Foi alterada para quinta-feira, dia 30 de julho a estreia do reality-show No Limite.

Globo – No Limite estreia no dia 26 de julho

O programa será exibido as quintas-feiras após A Grande Família e aos domingos após o Fantástico. A partir de 31 de julho, serão exibidos boletins com duração de 5 minutos as 2ªs, 3ªs., 4ªs, 6ªs, antecedendo o Jornal da Globo e aos sábados antecedendo o Altas Horas.

NO LIMITE

Reunidos em algum ponto isolado do litoral do Brasil, 18 participantes ficarão confinados durante 9 semanas, enfrentando duras provas de resistência, habilidade, coragem e performance.

A cada programa, serão realizadas duas provas e o telespectador será levado para dentro da privacidade, dos conflitos e da solução dos problemas.

Dois participantes serão eliminados por semana: um aos domingos, outro às quintas-feiras. O publico é quem decidirá, ao vivo, quem será o eliminado. O vencedor levará para casa um prêmio de 500 mil reais; o segundo colocado ganha 50 mil reais e o terceiro 30 mil reais.

Apresentação de Zeca Camargo e direção geral de Boninho.

No Limite estreia no dia 26 de julho

O inovador formato de reality-show que chegou ao Brasil em 2000 com a estréia de No Limite, uma mistura de gincana e documentário, tem nova edição de 26 de julho a 27 de setembro/09 e exibição nas noites quinta-feira, após A Grande Família e aos domingos, depois do Fantástico.

Reunidos em algum ponto isolado do litoral do Brasil, 18 participantes ficarão confinados durante 9 semanas, enfrentando duras provas de resistência, habilidade, coragem e performance.

A cada programa, serão realizadas duas provas e o telespectador será levado para dentro da privacidade, dos conflitos e da solução dos problemas.

Dois participantes serão eliminados por semana: um aos domingos, outro às quintas-feiras. O publico é quem decidirá, ao vivo, quem será o eliminado. O vencedor levará para casa um prêmio de 500 mil reais; o segundo colocado ganha 50 mil reais e o terceiro 30 mil reais.

Apresentação de Zeca Camargo e direção geral de Boninho.