Arquivo da categoria ‘São Paulo’

O Governo de São Paulo lançou  sistema Online de informações sobre empresas

Busca de empresas de São Paulo sem necessidade de CNPJ
Novo sistema vai simplificar e facilitar o acesso a fichas e documentos de mais de 5,4 milhões de empresas paulistas
O Governo de São Paulo lançou nesta terça-feira, 8, o novo sistema da Junta Comercial do Estado de São Paulo – órgão vinculado à Secretaria da Fazenda – para simplificar e facilitar o acesso às informações e serviços da entidade. Batizada de Jucesp Online, a novidade permite o acesso, via internet, a fichas e documentos de mais de 5,4 milhões de empresas paulistas. Esta é a maior ação de desburocratização e abertura de base de dados entre as juntas comerciais já realizada no país.
“Qualquer cidadão vai poder saber com toda transparência tudo o que se refere ao demais cidadãos no aspecto da sua atividade comercial. Além disso, vai ter acesso a informações sobre as empresas que lhes interessar”, afirmou o governador Alberto Goldman.
A Jucesp Online pode ser acessada de forma rápida e segura por qualquer cidadão por meio do endereço eletrônico http://www.jucesp.fazenda.sp.gov.br. O novo sistema garante acesso a documentos e fichas cadastrais sem que o interessado precise comparecer a uma das unidades da Junta Comercial. “Pelo escritório, ou mesmo de sua casa, por meio da internet, o usuário tem acesso a pesquisas e impressão certificada de documentos”, ressaltou o secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Machado Costa. Confira as novidades e principais serviços oferecidos pela ferramenta em http://www.saopaulo.sp.gov.br/usr/share/documents/172.pdf.
Além de facilitar a vida dos empresários, contadores, advogados e demais usuários da Jucesp, o novo sistema permitiu ao órgão aperfeiçoar os serviços internos de documentação e o atendimento presencial. Com a Jucesp Online, mais de 30% da força de trabalho, que antes realizava serviços que agora passam a ser oferecidos online, foi realocada. “Assim, aprimoramos a prestação de serviço aos cidadãos em todas as frentes de atendimento”, afirmou presidente da Junta Comercial do Estado de São Paulo, Valdir Saviolli.
O novo sistema também possibilita maior economia aos usuários, uma vez que a emissão online de fichas cadastrais, certidões e imagens digitais passa a ser gratuita. Por meio da Jucesp Online é possível ainda solicitar e agendar serviços presenciais em uma das unidades da Junta. Documentos que demandam análises e intervenções internas dos funcionários da Junta Comercial, entre eles certidões específicas com teor solicitado e requisição de cópia digital de documento, entretanto, ainda estão sujeitos a pequena tarifação.
Um dos destaques da Jucesp Online é a pesquisa de empresas por região. Por meio de uma ferramenta de georreferenciamento, é possível procurar indústrias ou estabelecimentos comerciais em todo o Estado, refinando a pesquisa por cidade, região, bairro ou rua. Assim, empresários ou investidores interessados em abrir um negócio poderão fazer um mapeamento da concorrência ou pesquisar estabelecimentos similares, fornecedores ou serviços em sua região.
Novo site
Para hospedar as novas funcionalidades da Jucesp Online, a Junta Comercial reformulou simultaneamente seu site, que ficou mais moderno, ágil e funcional. A fim de garantir toda a segurança e confiabilidade dos dados, a partir de agora todos os documentos emitidos por meio da internet terão assinatura digital e selo cronológico, conferindo autenticidade, integridade e confidencialidade às transações eletrônicas, impedindo também qualquer tipo de fraude.
O Governo do Estado investiu cerca de R$ 3 milhões no desenvolvimento da estrutura da Jucesp Online. A Junta colocou em prática várias ações complementares para estruturar o novo modelo de atendimento. A principal delas é a digitalização de todo o acervo de documentos. Cada item processado é colocado imediatamente no site para consulta dos usuários. “Por esse método será oferecida a oportunidade de o usuário acessar e obter cópias de contratos sociais da empresas, aberturas, alterações e baixas de sociedade. Temos tudo isso registrado na Jucesp e ele poderá obter uma cópia digital desses documentos”, informa Saviolli.
Para o usuário ter acesso gratuito a alguns dos novos serviços da Jucesp Online será necessário possuir um cadastro de usuário com login e senha de acesso ao sistema. No entanto, para facilitar a vida do cidadão, a Jucesp decidiu utilizar o cadastro já existente na Secretaria da Fazenda para o programa Nota Fiscal Paulista. “Nós não estamos criando um cadastramento adicional e sim unificando o acesso com o mesmo login e senha da Nota Fiscal Paulista”, esclarece o Presidente da Junta Comercial do Estado de São Paulo.
E-mail : saopaulosite@comunicacao.sp.gov.br
Dados da Notícia
Data da inclusão: 08/06/2010 Empresa: SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO / SP
Fone: (11) 2193-8624 E-mail: saopaulosite@comunicacao.sp.gov.br
Editorias: Empresas , Política
Fax: (11) 2193-8706
Resultado da Avaliação
Contato: Assessoria de Imprensa
====================
Se você tem o CNPJ em mãos, pesquise direto na Receita Federal aqui:
http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoajuridica/cnpj/cnpjreva/cnpjreva_solicitacao.asp

Se você tem a Inscrição estadual, ou, se você tem o CNPJ e quer saber sobre a Inscrição Estadual clique aqui:

http://www.sintegra.gov.br/

Um outro jeito, que as vezes até dá certo, é pesquisar pelo dominio do site e verificar se o registro está em nome da empresa e assim conseguir o CNPJ. É só pesquisar aqui:
https://registro.br/cgi-bin/avail/

image

Clubes de SP viram ‘rótulo’ de cerveja, e Andrés critica lei seca nos estádios
Carlos Padeiro
Em São Paulo

Torcedor bebe mais fora do estádio, diz AndrésCorinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo terão em breve suas marcas estampadas em latas e rótulos de garrafas de cerveja, fruto de acordo feito através do G4, grupo que engloba os quatro grandes do Estado. Tão logo o contrato foi divulgado, o assunto sobre a proibição de bebida alcoólica nos estádios paulistas voltou à tona. Na avaliação do presidente alvinegro, Andrés Sanchez, o veto é uma bobagem e não traz os efeitos esperados pelas autoridades.

O dirigente discorda da ideia de que com a restrição à venda de cerveja a violência será menor dentro do futebol. “O torcedor bebe lá fora”, argumenta.

“Eu acho ridículo o cara ficar na barraca bebendo, porque sabe que lá dentro não poderá. Ele bebe mais rápido pois sabe que dentro do estádio é proibido. Bebidas leves, como cerveja e champagne, devem ser liberadas”, declarou o dirigente. “É um absurdo liberar em qualquer lugar, e no estádio, não. Então tem que fechar faculdade, metrô, bares e restaurantes. Se não pode beber no estádio, não pode beber em lugar algum.”

Na quarta-feira, o G4 apresentou contrato feito com o Grupo Femsa Cerveja Brasil, que fabrica a Kaiser, Gold, Bavaria, Heineken, Santa Cerva, Xingu, Sol e Summer.

A Kaiser foi a escolhida para ter os distintivos dos clubes anexados. O acordo com os quatro grandes do Estado tem duração até o final de 2014.

Cada clube pode faturar R$ 2,5 milhões por ano com o acerto, valor que pode variar conforme a venda de produtos associados à marca. Quanto mais lata de Kaiser com o rótulo do Corinthians for comercializada, por exemplo, mais o time do Parque São Jorge recebe.

O clube de Parque São Jorge possui um acordo anterior com a Femsa, que estampava a marca Sol nos banners colocados atrás dos jogadores em entrevistas coletivas.

A comercialização de bebida alcoólica dentro de praças esportivas de São Paulo está proibida desde dezembro de 1996, conforme lei estadual número 97/90. Propagandas de cervejas e outras bebidas alcoólicas estão liberadas.

UOL Esporte
http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2009/12/10/andres-critica-veto-a-cerveja-nos-estadios-corinthians-estampa-marca-em-lata.jhtm

Grandes clubes de SP firmam parceria com Grupo FEMSA e Coca-Cola Brasil

O G4 Paulista, formado pelos quatro principais clubes do Estado (Palmeiras, Corinthians, São Paulo e Santos), firmou na manhã desta quarta-feira (09), em evento realizado no Hotel Hilton, em São Paulo, uma parceria inédita com o Grupo FEMSA e a Coca-Cola Brasil.

A parceira, cujos valores não foram revelados, é válida até dezembro de 2014 e vai trazer uma série de benefícios além de enriquecer os cofres dos quatro clubes de São Paulo. Estão previstas realizações em conjunto de campanhas publicitárias e ações promocionais da Coca-Cola e Kaiser, que serão as duas bebidas oficiais dos times participantes.

A marca Coca-Cola e Kaiser não estarão estampadas nas camisas dos clubes, mas serão divulgadas em ações desenvolvidas durante os jogos e também em placas colocadas no interior dos estádios. Além de também ajudar na divulgação das partidas, um dos principais objetivos da parceria G4, Grupo Femsa e Coca-Cola Brasil é o combate à violência e a volta da família aos estádios e um controle fiscalizado no combate à pirataria.

Estiveram presentes no evento os presidentes do Palmeiras, Luiz Gonzaga Belluzzo, do Corinthians, Andrés Sanchez, do São Paulo, Juvenal Juvêncio, e o vice-presidente do Santos, Norberto Moreira. Também representou o Verdão o diretor de marketing, Rogério Dezembro. Participaram do evento o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e o Padre Marcelo Rossi, escolhido como o garoto-propaganda da parceria.

“Os grandes clubes paulistas do G4 estão felizes em firmar o primeiro contrato com a FEMSA e Coca-Cola, empresas arrojadas, capazes de intuir o valor das novas oportunidades que se oferecem ao patrocínio esportivo”, afirmou o presidente Luiz Gonzaga Belluzzo, um dos principais responsáveis por coordenar desde o início a parceria entre os quatro clubes do Estado.

“O futebol mudou o potencial de receitas e esperamos avançar cada vez mais nesse objetivo de atrair e conseguir novos parceiros. Sozinhos, não conseguiríamos essa parceria. Com os quatro unidos, sim. Essa união dos clubes fora dos gramados é saudável, pois precisamos nos ajustar às necessidades que o mercado pede. Mais do que dinheiro entrando nos cofres, estamos promovendo a marca de todos os envolvidos e ações que só vão acrescentar nesse espetáculo chamado futebol”, concluiu.

Belluzzo fez questão de elogiar o departamento de marketing do Palmeiras e dos outros outros clubes envolvidos na parceria. “Os diretores de marketing é que deveriam estar aqui no lugar dos presidentes, pois são os principais responsáveis por tudo o que aconteceu”, comentou. “É uma parceria inovadora e que vai servir de base e estímulo para outros centros do nosso futebol”, completou Rogério Dezembro.

Sambafoot.com

http://br.sambafoot.com/informacoes/15046_Grandes_clubes_de_SP_firmam_parceria_com_Grupo_FEMSA_e_Coca-Cola_Brasil.html

https://i0.wp.com/www.futebolinterior.com.br/imagens/galeria/img-3118.jpg

Com padre de garoto-propaganda, dirigentes de Palmeiras, São Paulo, Santos e Corinthians oficializam G4


GazetaEsportiva.Net

Os quatro grandes clubes paulistas se uniram sob a bênção do padre Marcelo Rossi. Na manhã desta quarta-feira, o religioso foi o garoto-propaganda do evento que divulgou o contrato de patrocínio firmado entre o G4 (parceria agora oficializada por Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo) e a Coca-Cola e Kaiser.

“Eu era corintiano, mas troquei de time. Agora sou G4”, discursou Marcelo Rossi, que vestiu uma camiseta de divulgação sobre a sua batina, posou para fotos com uma lata de refrigerante em mãos e não fez reprovação às bebidas alcoólicas. Até chorou, no momento em que o prefeito Gilberto Kassab falava sobre as enchentes na cidade de São Paulo.

Sempre que alguém se dirigia a Marcelo Rossi, inclusive, o padre fazia jus ao papel de garoto-propaganda e respondia com um berro: “G4!”. Os presidentes Juvenal Juvêncio e Andrés Sanchez (de São Paulo e Corinthians, respectivamente) sorriam com o canto da boca a cada intervenção.

Após trocar diversos cochichos com Sanchez, Juvenal Juvêncio também se apresentou para discursar – o presidente do Corinthians, então, esticou os braços de maneira debochada, aparentemente incomodado com a demora do encontro e a eloquência do colega. O são-paulino defendeu a “rivalidade sadia” entre os clubes e a ampliação de ações de marketing em conjunto.

O Palmeiras foi representado pelo presidente Luiz Gonzaga Belluzzo, que não permaneceu até o final da reunião – estava claramente incomodado com os problemas do seu time. Antes de sair pelos fundos, o dirigente foi o único a segurar uma lata de cerveja (ele não bebe) na foto oficial com os patrocinadores do G4.

Já Marcelo Teixeira, mandatário do Santos que perdeu a eleição para Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, sequer foi ao encontro. Viajou para Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, sob a desculpa de viabilizar a versão feminina do Mundial de Clubes. “O Marcelo já sonhava com o G4 há muito tempo. Tudo para ele emana de Deus”, disse o vice-presidente santista Norberto Moreira da Silva, que também deixará o cargo na próxima semana. A afirmação alegrou o padre Marcelo Rossi.

O primeiro contrato firmado pelo G4 paulista renderá aos clubes um valor entre R$ 8 e R$ 18 milhões, segundo o presidente Andrés Sanchez – a Coca-Cola e a Kaiser preferiram não divulgar o investimento. Pelo acordo, com duração até dezembro de 2014, as empresas poderão explorar comercialmente as marcas de Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo, além de divulgar seu logotipo em placas de publicidade nos estádios.

correiobraziliense

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2009/12/09/esportes,i=159959/COM+PADRE+DE+GAROTO+PROPAGANDA+DIRIGENTES+DE+PALMEIRAS+SAO+PAULO+SANTOS+E+CORINTHIANS+OFICIALIZAM+G4.shtml

Presidente do Corinthians reforça veto a jogos no Morumbi

A realização de clássicos paulistas no estádio do São Paulo é uma das ações previstas no acordo que criou o “G4”

GazetaEsportiva.Net

Uma das ações divulgadas na oficialização do G4 paulista (união dos quatro grandes clubes de São Paulo) não será apoiada pelo Corinthians. Quando o superintendente santista José Carlos Peres falou sobre a realização de clássicos no Morumbi na manhã desta quarta-feira, o presidente corintiano Andrés Sanchez sorriu, ajeitou-se na cadeira onde estava sentado, bebeu bastante água e cutucou o mandatário são-paulino Juvenal Juvêncio.

O assunto alterou o humor de Sanchez cerca de meia hora depois. “Já falei que o Corinthians não joga mais no Morumbi! O meu torcedor está muito feliz no Pacaembu, onde o acesso é mais fácil e não há problema de enchente nas proximidades”, esbravejou o mandatário do Corinthians.

Sanchez decidiu não mandar mais jogos no Morumbi depois que o São Paulo passou a destinar apenas 10% da carga de ingressos à torcida rival e de uma confusão no setor visitante do estádio, em clássico disputado no início do ano. Na festa de aniversário de 99 anos do Corinthians, o presidente chegou a demonstrar orgulho de sua resolução quando um vídeo com a imagem de um ‘bambi’ foi exibido no telão: “No Morumbi, nunca mais!”, gritou.

Juvenal Juvêncio, por sua vez, ainda espera voltar a lucrar com o empréstimo do estádio do São Paulo ao Corinthians. “O Andrés está errado no seu juízo, mas não tenho nada contra. Isso me deixa sem alegria e sem tristeza. Somente respeito. Vamos ver se melhoramos alguma coisa no próximo ano”, comentou o presidente do Tricolor.

O discurso dificilmente convencerá Andrés Sanchez, que continuou irredutível. “O Corinthians está arrecadando bem no Pacaembu e vai arrecadar ainda mais em 2010. Se o São Paulo vier com números bons, a gente até pode conversar”, disse o presidente do Corinthians, que se corrigiu logo em seguida. “Sou um homem empreendedor. O São Paulo não vai chegar ao número que eu quero.

Correio Braziliense

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2009/12/09/esportes,i=159999/PRESIDENTE+DO+CORINTHIANS+REFORCA+VETO+A+JOGOS+NO+MORUMBI.shtml

Atos secretos no Senado chegam ao total de 650

O Estado de S. Paulo

Atos secretos no Senado chegam ao total de 650

A comissão de sindicância que analisa os atos secretos do Senado já detectou cerca de 650 decisões mantidas sob sigilo nos últimos anos. A equipe de trabalho pretende adotar, em seu relatório final, o termo “boletins não publicados” e recomendar uma investigação sobre cada ato para saber os motivos que levaram à sua não divulgação. O relatório deve sugerir ainda que a análise sobre o significado de cada ato e os motivos de seu sigilo – erro técnico ou proteção intencional – seja feita por órgãos de dentro do Senado, como Advocacia-Geral e Secretaria de Controle Interno, e também de fora da Casa, como o Tribunal de Contas da União (TCU) e o Ministério Público. O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), pressionou nos últimos dias para que a expressão “ato secreto” fosse retirada da conclusão final da comissão. Mergulhado numa crise após o Estado revelar a existência dos documentos, o senador pediu que a investigação apontasse para um erro técnico no sistema interno do Senado.

Sarney não pode ser ”tratado como pessoa comum”, diz Lula

Do Casaquistão, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva saiu ontem em defesa do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse que o parlamentar não é “uma pessoa comum” e questionou a veracidade das denúncias sobre a criação de cargos e nomeação de parentes por atos secretos. A fala foi afinada com o discurso feito no dia anterior por Sarney, da tribuna, no qual ele se esquivou do escândalo, alegando que a responsabilidade é coletiva, ou seja, dos senadores e da Casa. Na entrevista, antes de embarcar em Astana, capital do Casaquistão, última etapa de sua turnê pela Europa e Ásia Central, Lula criticou o “processo de denuncismo” e afirmou que não sabe “a quem interessa enfraquecer o Legislativo”.

Senador repete discurso da véspera e despista cobranças

Horas antes de receber um ultimato de um grupo de parlamentares para promover no prazo de uma semana a eleição de um novo diretor-geral para o Senado, o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), repetiu o discurso do dia anterior: lançou mão novamente de sua biografia, para tentar escapar de denúncias que atingiram a sua imagem e a do Senado. Ele começou o dia em uma solenidade na sala contígua a seu gabinete, onde foi lançada uma campanha publicitária para melhorar a imagem do Congresso. Não disse sequer uma palavra sobre reformar a estrutura administrativa do Senado, que permitiu a proliferação de atos secretos. Mais tarde, já no plenário, foi frontalmente cobrado por senadores, que clamam por mudanças imediatas na Casa.

Em sigilo, Senado demitiu irmão do seu presidente

Um irmão do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), foi exonerado, por meio de ato secreto, de um cargo de confiança da Casa. A demissão do escritor e advogado Ivan Sarney (PMDB) saiu só agora no sistema interno do Senado, mas com data de 30 de abril de 2007. Ele se soma a outros seis parentes de Sarney que estão ou passaram discretamente pela folha de pagamento do Senado nos últimos anos, além de dois afilhados políticos. Vereador de São Luís entre 1992 e 2004, Ivan, de 64 anos, foi acomodado no dia 5 de maio de 2005 na Segunda Secretaria do Senado, então ocupada pelo senador João Alberto (PMDB-MA), hoje vice-governador do Maranhão. Na época da nomeação, Ivan era suplente de vereador na capital maranhense. Sua nomeação no Senado foi pública, misturada a outros 26 atos, em um mesmo boletim.

Casa aprova indicado de Mendes para CNJ com o mínimo de votos

Após votação acirrada em dois turnos, o professor de direito Marcelo Neves venceu a disputa pela indicação do Senado para uma vaga no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Mas a vitória deve ser comemorada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, que trabalhou publicamente pela indicação de Neves e chegou a trombar com líderes do DEM e PSDB. Marcelo Neves obteve 41 votos, o mínimo necessário para ser indicado. Contou com o apoio de líderes governistas, além do patrocínio de Mendes. O segundo colocado, o advogado Erick Pereira, que tinha como principais apoiadores os líderes do DEM, José Agripino (RN), e do PSDB, Arthur Virgílio (AM), obteve apenas 20 votos e saiu derrotado. A confusão em torno da indicação começou quando o presidente do STF e o governo decidiram intervir na disputa. Até aí, Pereira era o favorito, por reunir o apoio dos líderes dos principais partidos, incluindo o PT, PMDB, PSDB e DEM.

Senadores querem saída de diretor em uma semana

Exatas 24 horas depois de o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), subir à tribuna para dividir com seus pares a responsabilidade pela crise que abala a instituição, um grupo de oito senadores do PSDB, PMDB, PT e PDT cobrou-lhe, de público, a adoção de medidas administrativas que ele ficara devendo no discurso. Os parlamentares querem a demissão do diretor-geral da Casa e de toda a atual diretoria e deram uma semana de prazo para que Sarney indique o substituto de Alexandre Gazineo. Embora a cobrança com prazo fixo soe como um ultimato, o grupo deixou claro que não há qualquer ameaça de tirar Sarney do cargo. “Queremos resolver o impasse, mas não é uma reunião para decapitar Sarney. Queremos repensar o Senado”, afirmou o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE).

Senado abre caminho para PEC dos vereadores

O plenário do Senado aprovou ontem emenda à Constituição que reduz o porcentual de repasse de recursos para as câmaras municipais. A aprovação da proposta foi comemorada por meia centena de suplentes de vereadores que encheram as galerias do plenário do Senado, porque abre caminho para a promulgação da emenda constitucional que aumenta em 7.343 o número de vereadores em todo o País. A emenda foi aprovada a toque de caixa em dois turnos de votação pelo plenário do Senado, antes de seguir para apreciação da Câmara. No primeiro turno foram 62 votos a favor e apenas quatro contra. No segundo turno, 56 senadores votaram a favor e 6 contra.

Lula leva 8 ministros a mutirão na Amazônia

Com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de oito ministros – mas com o cuidado de não pôr no mesmo palanque Carlos Minc (Meio Ambiente) e Reinhold Stephanes (Agricultura), que vivem às turras -, o governo lança amanhã em três locais diferentes um grande mutirão que pretende levar para a Amazônia linhas de crédito, facilidades burocráticas para a regularização fundiária, assistência técnica especializada e difusão de tecnologias. Lula, Minc, José Pimentel (Previdência) e o presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendini, ficarão em Alta Floresta, município amazônico a 830 quilômetros ao norte de Cuiabá (MT); Dilma Rousseff (Casa Civil), Mangabeira Unger (Assuntos Estratégicos) e Márcio Fortes (Cidades) vão para Porto Velho (RO); Stephanes, Guilherme Cassel (Desenvolvimento Agrário), Altemir Gregolin (Pesca) e o presidente do Banco da Amazônia, Abdias Júnior, estarão em Marabá (PA), a cerca de 800 quilômetros ao sul de Belém. Das cerimônias participarão ainda os governadores de Mato Grosso, Blairo Maggi (PT), de Rondônia, Ivo Cassol (sem partido) e do Pará, Ana Júlia (PT).

Ruralistas tentam preservar MP

A proximidade da sanção da medida provisória que regulariza as posses de até 1,5 mil hectares na Amazônia deu início a um movimento de pressão em torno do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a favor e contra vetos, e a uma guerra de cartas e e-mails. A Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA) iniciou ontem um bombardeio que pode chegar a 1 milhão de cartas e e-mails ao presidente para pedir que nada seja vetado. Já a Confederação dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) mandou carta ao presidente pedindo vetos à MP. Antes, a senadora Marina Silva (PT-AC) e 23 procuradores da República que atuam na Amazônia solicitaram a Lula, por meio de cartas, veto a artigos que consideram prejudiciais à região, como os que permitem a venda das posses para empresas, o que libera o uso de um preposto e o que reduz de dez para três anos o prazo exigido para que uma propriedade legalizada possa ser vendida. O documento da Contag mandado a Lula faz pedidos muito parecidos aos de Marina e dos procuradores da República.

União indeniza camponês do Araguaia

A Comissão de Anistia do Ministério da Justiça anuncia hoje, em São Domingos do Araguaia (PA), a conclusão de 91 processos de anistia política e pedidos de indenização em favor de camponeses perseguidos pelo Exército durante a repressão à guerrilha do Araguaia (1972-1975). São pessoas que não participaram dos combates, mas foram perseguidas pelo Estado e que tiveram de esperar décadas para serem reparadas. Sem vínculos com a guerrilha ou o Exército, muitas famílias de camponeses perderam terras e filhos e hoje cobram uma reparação. Um dos atingidos pela repressão à guerrilha e que pede indenização é Eduardo Rodrigues, que vivia com a família num sítio na Faveira, povoado próximo a São Domingos do Araguaia, onde atuou o Destacamento A da guerrilha.

Bancada paulista do PT resiste a Ciro

Em meio à crise que se abriu no PT paulista, a bancada do partido na Assembleia Legislativa engrossou ontem o coro contra a possibilidade de apoio a uma eventual candidatura do deputado Ciro Gomes (PSB-CE) ao governo estadual. Reunidos na manhã de ontem, os deputados fecharam posição em favor da candidatura própria do PT ao Palácio dos Bandeirantes. A decisão dá caráter formal às reações que surgiram no partido nos últimos dias. “Constrange um pouco o PT a ideia de importar um candidato para uma eleição tão importante”, afirmou o deputado estadual Simão Pedro, ex-líder do PT na Assembleia. Segundo o deputado Roberto Felício, petistas já planejam elaborar um novo documento em defesa da candidatura própria, para se somar a uma resolução aprovada pelo Diretório Estadual em abril. “Já me comprometi a assinar.” Para manifestar a posição, a bancada escolheu o momento em que se reunia com o prefeito de Osasco, Emidio de Souza, que já anunciou sua pré-candidatura.

STF derruba diploma para jornalista

O Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou ontem, por 8 votos a 1, a exigência de diploma de jornalista para exercer a profissão. Essa obrigatoriedade tinha sido imposta por um decreto-lei de 1969, época em que o País era governado pela ditadura militar. Relator do caso no STF, o presidente do tribunal, Gilmar Mendes, disse que o jornalismo é uma profissão diferenciada, que tem vinculação com o exercício amplo das liberdades de expressão e de informação. Segundo ele, exigir o diploma de quem exerce jornalismo é contra a Constituição, que garante essas liberdades. A exigência do diploma já estava suspensa desde 2006, por uma liminar concedida pelo STF. “O jornalismo é a própria manifestação e difusão do pensamento e da informação de forma contínua, profissional e remunerada. Os jornalistas são aquelas pessoas que se dedicam profissionalmente ao exercício pleno da liberdade de expressão. O jornalismo e a liberdade de expressão, portanto, são atividades imbricadas por sua própria natureza e não podem ser pensadas e tratadas de forma separada”, afirmou Mendes.

Folha de S. Paulo

Lula defende Sarney e critica o “denuncismo” da imprensa

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva rechaçou o que chamou de “denuncismo” em torno dos escândalos no Senado e saiu em defesa do presidente da Casa, José Sarney, que na véspera havia afirmado que não era responsável pela crise. Lula questionou a veracidade das revelações de irregularidades no Senado, mas pediu uma “investigação séria”. O presidente também fez um alerta à imprensa, afirmando que, ao questionar as práticas do Congresso, sua própria credibilidade poderá ser abalada. As declarações foram feitas pouco antes de Lula embarcar de volta ao Brasil de Astana, capital do Cazaquistão, onde encerrou uma viagem que incluiu passagens por Suíça e Rússia. “Eu sempre fico preocupado quando começa no Brasil esse processo de denúncias, porque ele não tem fim, e depois não acontece nada”, disse Lula.

Em 86, petista acusou Sarney de ser “grileiro”

O discurso do presidente Lula em relação ao Congresso mudou à medida que o petista trocou a oposição pelo governo. Em 1993 ele declarou que, “de todos os deputados no Congresso, pelo menos 300 são picaretas”.
Repetiu a crítica em 1994 (“Aquilo que eu falei de 300 é um pouco mais”) e 1998 (“Uma vez falei que havia uns 300 picaretas no Congresso, mas a coisa só piorou”). Em 2002, com a vitória à vista, a retórica mudou.
Aceitou o apoio do senador José Sarney, a quem havia chamado de “grileiro”, em 1986 (“Sarney não vai fazer reforma agrária coisa nenhuma, porque ele é grileiro no Estado do Maranhão”), e de “ladrão”, em 1987 (“Adhemar de Barros e Maluf poderiam ser ladrões, mas eles são trombadinhas perto do grande ladrão que é o governante da Nova República”).

Para Lula, “ruim com eles, pior sem eles”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva saiu em defesa de José Sarney para evitar o progressivo enfraquecimento político do grupo peemedebista que sustenta o governo no Senado. Nas palavras de um auxiliar direto do presidente, “ruim com eles, pior sem eles”. Fulanizando, “eles” são Sarney e o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros. Lula depende do PMDB, dono da maior bancada no Senado, para evitar tropeços numa Casa do Congresso na qual tem maioria instável desde o primeiro mandato.
Não interessa a Lula o enfraquecimento de Sarney e Renan. Nas ocasiões em que isso aconteceu, “o governo pagou o pato”, recorrendo novamente às palavras de um auxiliar direto do presidente.

Senadores fazem lista de exigências a Sarney

Aproveitando o momento de fragilidade do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), um grupo de senadores decidiu apresentar uma lista de reivindicações para forçá-lo a adotá-las em nome da superação da atual crise. Foram listadas oito propostas, que incluem o corte de pessoal, a demissão do diretor-geral, a redução de benefícios e uma auditoria externa. As sugestões foram elaboradas por oito senadores de PSDB, PDT, PSB, PT e PMDB. “Avaliamos que é nossa função acelerar mudanças na Casa. Sem cobrança, elas não virão. Este é o momento”, afirmou Sérgio Guerra (PE), presidente do PSDB. Várias das sugestões apresentadas são genéricas.

Em 14 anos, Senado teve 623 atos secretos

O Senado já contou 623 atos secretos na Casa entre 1995 e 2009. Os dados são da comissão interna de três servidores criada para investigar o caso. O relatório final deverá ser divulgado na semana que vem.
Anteontem à noite, o documento foi levado ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), pela presidente da comissão, Doris Peixoto, que também é a diretora-geral adjunta da Casa. A intenção era divulgar o relatório ainda esta semana, mas foi atrasada por causa do senador Heráclito Fortes (DEM-PI), que se recupera de uma cirurgia em São Paulo e só deve voltar para Brasília na semana que vem.

Relator pede a cassação de deputado dono de castelo

O deputado Nazareno Fonteles (PT-PI) recomendou ontem a perda de mandato do deputado Edmar Moreira (sem partido-MG) no Conselho de Ética da Câmara. O petista é o relator do caso. O pedido de perda de mandato aconteceu pois Fonteles entendeu que Edmar Moreira fez mau uso da verba indenizatória, valor mensal a que os deputados têm direito para despesas do mandato no Estado. Moreira, dono de um castelo avaliado em cerca de R$ 25 milhões no interior de Minas, usou notas de suas próprias empresas de segurança para justificar os gatos de R$ 230,6 mil, entre 2007 e 2008, com a verba. Ele não quis comentar o relatório.
“A quebra do decoro não implica, necessariamente, a existência de conduto delituosa do ponto de vista penal. (…) O Juízo sobre o decoro é de natureza eminentemente ético-política, sendo moldado pelo sentimento social do que se deva considerar como ético, moral, correto num determinado momento histórico”, avaliou Fonteles.

STF revoga a exigência de diploma para jornalismo

O Supremo Tribunal Federal derrubou ontem por 8 votos a 1 a obrigatoriedade do diploma de jornalista para o exercício da profissão. O STF julgou que o decreto-lei 972 de 1969, que exige o documento, é incompatível com a Constituição de 1988, que garante a liberdade de expressão e de comunicação. É a segunda decisão importante na área da comunicação tomada pelo STF neste ano. Em 30 de abril, o tribunal também revogou a Lei de Imprensa, editada em 1967, durante a ditadura, pelas mesmas razões. O Ministério Público Federal e o Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão de São Paulo entraram com uma ação contra a obrigatoriedade do diploma e, em 2001, a 16ª Vara de São Paulo anulou a exigência, restabelecida em 2003 pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

Para Ciro, candidatura em SP é “fofoca forte”

O deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE) chamou de “fofoca forte” a cogitação de uma eventual candidatura sua ao governo de São Paulo e afirmou que o presidente Lula erra ao pensar que sua popularidade vai se transformar em votos para a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) em 2010.
Em Porto Alegre, Ciro disse que os rumores de que pode disputar o governo paulista são alimentados por interessados em que Dilma seja a única presidenciável do campo lulista. Mas Ciro não afastou a hipótese da disputa estadual.

Governo indenizará moradores do Araguaia

O governo Lula pedirá hoje a 91 moradores da região do Araguaia, no Pará, perdão por crimes cometidos contra eles há três décadas pelos militares que combatiam na selva amazônica a guerrilha organizada pelo então clandestino PC do B. Cada um receberá até R$ 100 mil de indenização. O pedido de desculpas será apresentado em praça pública, na cidade de São Domingos do Araguaia (540 km ao sul de Belém), pelo ministro da Justiça, Tarso Genro, e pelo presidente da Comissão de Anistia do governo, Paulo Abrão Júnior. Os 91 -a maioria com idade entre 70 e 80 anos- foram selecionados em um grupo de 287 moradores da região do Araguaia, que inclui o sudeste do Pará, o sul do Maranhão e o norte de Tocantins. Eles foram interrogados pela Comissão de Anistia em 2007 e 2008. Será a primeira vez que camponeses sem ligação com movimentos sociais ou partidos receberão esse tipo de indenização.

Oposição a Serra é derrotada em sessão de estreia de CPI

Definida pela oposição ao governo José Serra (PSDB) como “a primeira CPI a investigar o governo tucano em uma década”, a Comissão Parlamentar de Inquérito da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo) teve sua primeira sessão, ontem, dominada pelos aliados do governador. Nenhum dos quatro requerimentos pedidos pela oposição -todos de convite a autoridades ligadas a investigações de irregularidades na CDHU- foi aprovado. Aliados de Serra dominam a CPI, com 7 dos 9 integrantes, e ocupam os principais cargos. O presidente é José Augusto da Silva Ramos (PSDB), o vice, Milton Flávio (PSDB), e o cargo de relator ficou com Roberto Morais (PPS), também da base de apoio.

Comissão da Câmara aceita projeto que reabre bingos

O lobby do jogo venceu ontem mais uma batalha em sua guerra pela legalização no país, com a aprovação, na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, do projeto que autoriza a volta de bingos, videobingos e videoloterias. Os cassinos, também previstos na proposta original, foram vetados pela bancada do governo federal. Para que os bingos sejam legalizados, o projeto ainda precisa de aprovação da Comissão de Constituição e Justiça e do plenário da Câmara, além de todo o trâmite nas comissões e no colegiado do Senado, antes de ir à sanção presidencial. O projeto aprovado ontem teve intensa participação da Abrabin (Associação Brasileira dos Bingos) e o empenho pessoal do deputado federal Paulinho Pereira da Silva (PDT-SP).

TCU aponta mais irregularidades no Pan, e Congresso cria Ato Olímpico

No mesmo dia em que o projeto da Rio-16 foi apresentado na Suíça, o Tribunal de Contas da União voltou a apontar irregularidades nos gastos para a organização do Pan do Rio-07. Desta vez, os problemas aparecem em contratações de empresa para a montagem de instalações provisórias. São dois contratos, um celebrado pelo Ministério do Esporte e outro pelo governo do Rio. Dentre os problemas levantados pelo TCU está a compra de 1.628 equipamentos de ar-condicionado e instalação de apenas 813. Há também suspeita de pagamento em duplicidade de taxas de administração. Segundo o tribunal, pode haver falhas nas concorrências. Há suspeita de conluio entre as empresas que participaram da pesquisa de preços para a concorrência do Ministério do Esporte. No contrato do governo do Estado, havia proposta de menor na valor na pesquisa de mercado realizada. Ela não foi aceita, sem explicação.

O Globo

Lula defende Sarney e faz críticas a denuncismo

Em visita ao Cazaquistão, o presidente Lula saiu em defesa do aliado presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que na véspera alegara que a crise da Casa é da instituição e não dele. Lula atacou o que chamou de “política de denuncismo”, numa crítica à imprensa, e afirmou que Sarney “tem história suficiente para que não seja tratado como uma pessoa comum”. Ontem, foi descoberto que, além de um neto e sobrinhos, uma prima e uma sobrinha do marido da governadora Roseana Sarney (PMDB) foram contratadas pelo Senado. Também por atos secretos.

… e reforça apoio a Ahmadinejad

Na contramão das democracias ocidentais e ao lado de China, Rússia, Venezuela e Coreia do Norte, Lula voltou a defender a controversa reeleição do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad.

Irã aperta cerco e prende 200

O governo iraniano apertou o cerco a blogueiros, jornalistas e opositores, e ameaçou manifestantes com pena de morte. Pelo menos 200 ativistas foram presos. O acesso a celulares foi limitado e a velocidade de conexão da internet, reduzida. Sites foram bloqueados. Ainda assim, milhares de pessoas desafiaram as autoridades e voltaram às ruas, em manifestações silenciosas para protestar contra o resultado das eleições que deram vitória ao presidente Ahmadinejad. Sem vistos renovados, jornalistas estrangeiros abandonam o país, privando o mundo de uma cobertura independente.

País pode ter mais 7 mil vagas de vereador

Graças a um acordo de líderes, o Senado aprovou em dois turnos proposta de emenda constitucional que abre brecha para a recriação de 7.343 vagas de vereadores extintas pelo Tribunal Superior Eleitoral. Os repasses para as câmaras foram reduzidos. A proposta volta agora à Câmara.

Comissão da Câmara aprova legalização do bingo

Por ampla maioria e com apoio da base do governo, a Comissão de Finanças e Tributação da Câmara aprovou ontem a legalização do bingo no país, cinco anos após o presidente Lula editar medida provisória proibindo a atividade – e que foi derrubada pelo Senado. Dos 31 parlamentares que votaram, apenas cinco se manifestaram contra e 26 foram favoráveis. Pelo texto, a casa de bingo poderá explorar a modalidade de cartela e também as máquinas caça-níquel, mas só dentro do estabelecimento. As casas de bingo terão de funcionar a uma distância de, pelo menos, 500 metros de igrejas e escolas. As fachadas terão de ser discretas, sem luzes em exagero ou neon muito colorido. O projeto ainda será votado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

STF derruba diploma para jornalismo

Por oito votos a um, o Supremo Tribunal Federal derrubou a exigência de diploma para o exercício da profissão de jornalista. Para a maioria dos ministros, o diploma obrigatório é inconstitucional.

Um ano de Lei Seca: desafio é fiscalizar

Dados do Ministério da Saúde mostram que, com um ano de Lei Seca, as mortes no trânsito caíram 22,5% nas capitais. Mas ainda há desafios, como aumentar a fiscalização em cidades menores.

Planalto apoia volta do bingo e caça-níqueis

Com apoio dos governistas, comissão da Câmara aprovou a legalização dos bingos, que poderiam também operar caça-níqueis. Estão proibidos há 5 anos por MP.

Correio Braziliense

Álcool causa 60% das mortes de motoristas

Pesquisa realizada pelo Instituto de Medicina Legal (IML-DF) indica que a maioria dos condutores que perderam a vida em acidentes de trânsito dirigiam seus carros sob o efeito de bebidas alcoólicas. A convite do Correio, quatro pessoas fizeram um este no Kartódromo do Guará, sob supervisão do Detran e do IML: beberam e tentaram levar seus carros pelo circuito de corridas, montado com obstáculos que simulavam situações encontradas nas ruas do Distrito Federal. Todas apresentaram alterações, cometeram erros e foram reprovadas pelos especialistas.

A turma do Sarney

Oito parentes ou pessoas ligadas ao presidente do Senado foram nomeados por meio de atos secretos. Parlamentares cobram afastamento de toda a direção da Casa.

Cai diploma de jornalista

Ministros do STF entendem ser desnecessário curso superior para profissionais da imprensa. Gilmar Mendes comparou jornalistas a chefes de cozinha.

STF abre vagas para estudantes da rede pública

São 60 oportunidades para alunos do último ano do ensino médio no Supremo Tribunal Federal, com remuneração de R$ 360.

Servidores têm reajuste ameaçado

Queda na arrecadação abre rombo de R$ 63 bilhões no caixa do governo federal, e ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, admite cortes no Orçamento que podem afetar aumentos já aprovados.

Jornal do Brasil

Lei Seca poupou 796 vidas e R$ 6,9 bilhões

O balanço do primeiro ano de vigência da Lei Seca confirma sua eficácia: protegeu vidas e dinheiro público gasto com acidentes de trânsito, entre despesas hospitalares, remoções e reparações de veículos, seguro e gastos judiciais e previdenciários. Órgãos públicos e privados do país gastam, anualmente, cerca de R$ 30 bilhões com essas despesas. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, o número de internações de vítimas do trânsito em hospitais ligados ao SUS caiu 23%, o que significa uma economia de pelo menos R$ 6,9 bilhões. A atual legislação resultou também em menos mortes no trânsito. Foram 796 óbitos a menos no segundo semestre de 2007 em relação ao mesmo período de 2007. No Rio registrou-se uma redução de quase 25% das vítimas de acidentes. A Lei Seca impôs maiores restrições e punição aos motoristas flagrados alcoolizados, além de modificar hábitos de consumo do brasileiro.

Obama apresenta sua reforma financeira

O presidente dos EUA, Barack Obama, detalhou seu projeto de reforma do sistema financeiro – a maior desde os anos 30, pós-Grande Depressão que será enviado ao Congresso. Entre as propostas está a criação de um órgão no governo para avaliar os grandes riscos à economia e a segurança de produtos financeiros.

Limpeza do lago da Aclimação vai demorar um ano

Reservatório já está com água; moradores queriam que lama fosse retirada antes

O lago do parque da Aclimação deverá ficar limpo só daqui a um ano. Segundo o secretário do Verde e Meio Ambiente, Eduardo Jorge, numa perspectiva otimista, a limpeza só será finalizada em março de 2010, porque o processo de retirada do lodo é lento.

Jorge estima que a licitação para a limpeza deve demorar cerca de quatro meses. Assim que a empresa for escolhida, pelo menos outros seis meses serão necessários para a retirada de lodo e lixo. A lama precisa ser diluída em água, para depois ser desidratada e transportada. Só então o lago será totalmente cheio e as aves voltarão.

O lago começou a receber água novamente no sábado, sob protestos de cerca de 300 moradores que queriam que a limpeza fosse feita antes. Eles deram um abraço simbólico no lago seco.

De acordo com o secretário, o espaço será enchido o suficiente para formar um espelho-d’água. O lago secou na segunda-feira, quando a base do vertedouro rompeu. l

Onde havia um lago, visitantes avistam um espelho-d’água

Vagner Campos / Futura Press

http://www.destakjornal.com.br/readContent.aspx?id=14,33859

Moradores pedem que lago seja limpo

Ato pacífico vira bate-boca com a chegada de secretário do Verde, Eduardo Jorge

Naiana Pscar – Jornal da Tarde

Maior crítica da população ao secretário era em relação a decisão de encher o lago sem limpá-lo

Leo Barrilari/FotoRepórter/AE

Maior crítica da população ao secretário era em relação a decisão de encher o lago sem limpá-lo

Maior crítica da população ao secretário era em relação a decisão de encher o lago sem limpá-lo
SÃO PAULO – Era para ser um abraço pacífico, com moradores de mãos dadas em torno do lago seco da Aclimação. Mas a manifestação que ocorreu neste sábado, 28, pela manhã no parque acabou em bate-boca com a chegada do secretário do Verde e Meio Ambiente, Eduardo Jorge. Em meio a vaias e gritos de protesto, ele tentou justificar os problemas do lago e por que a Prefeitura não vai entregá-lo limpo tão cedo. Numa previsão otimista, o secretário estima que isso ocorrerá só em março do ano que vem.

A maior crítica da população, ontem, era em relação à decisão municipal de tornar a encher o lago sem antes tirar o lodo e a sujeira que se acumulam ali. A Prefeitura prometeu que esse procedimento começaria entre sábado e domingo, com o bombeamento de água feito pela Sabesp. Segundo nota divulgada pela secretaria, a remoção do lodo exige sua diluição em água para posterior desidratação e transporte.

“Sou leiga, mas acho que a ocasião para fazer a limpeza é agora. Como vamos saber mais tarde se ele está limpo, se a água vai esconder de novo a poluição?”, disse a professora aposentada Cecília Fusaro, que frequenta o parque há quase três décadas. Ontem, ela estava entre os 300 usuários do parque que “abraçaram” o lago e cobraram soluções do secretário.

O presidente da Associação de Usuários do Parque da Aclimação, Miguel Adoud, também é contra as ações da Prefeitura. Ele defende que a limpeza seja feita imediatamente, mesmo que isso signifique manter o lago seco por mais tempo. “Vai acabar virando um piscinão. E os nossos problemas com enchente só vão aumentar”, afirmou.

Os moradores tentaram convencer o secretário de que a limpeza do lago precisa ser realizada com urgência. Por várias vezes, ele deu a mesma resposta. “É preciso fazer uma licitação, porque a retirada do lodo não justifica um contrato de emergência”, repetia. “Ele está aí há mais de 50 anos e não colocou a vida de ninguém em risco. Por isso, não é emergencial”, completou o chefe de gabinete, Hélio Neves. Com esse caráter, a Prefeitura contratou apenas a empresa responsável pela reforma do vertedouro danificado que causou, na última segunda-feira, o escoamento dos 75 milhões de litros de água do lago.

Poluição

Análises realizadas entre maio e dezembro de 2008 pela Prefeitura indicaram uma baixa taxa de poluição no lago da Aclimação. O índice médio foi de 24 miligramas de oxigênio por litro. De acordo com critérios informados pela Sabesp, quando essa taxa está entre 10 e 30, a qualidade da água é considerada boa. Acima disso, há restrição à existência de peixes, cheiro ruim e a necessidade de tratamento especial.

Um relatório divulgado ontem pela Secretaria do Verde e Meio Ambiente mostra que desde 2005 foram investidos R$ 4,1 milhões no Parque da Aclimação. Desse total, 44% foram para despoluição do lago, redirecionamento de nascentes, modernização da estação da Sabesp, vistoria e “recirculação” da água.

Segundo a Prefeitura, todo o complexo hídrico do lago foi vistoriado em 2007 pela Secretaria de Infraestrutura Urbana a um custo de R$ 460 mil.

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,moradores-pedem-que-lago-seja-limpo,331658,0.htm

Operação na Zona Oeste tem seis mortos e três presos

Do G1

Cerca de 300 policiais participaram da ação.
Alunos de escolas da região não compareceram às aulas.

Seis homens morreram e três foram presos na manhã desta quarta-feira (4) durante uma operação em favelas na Zona Oeste do Rio. Cerca de 300 policiais participaram da operação em pelo menos quatro comunidades da área. Um quarto suspeito teria sido detido por agentes.

Segundo o delegado da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), Rodrigo Oliveira, o objetivo era reprimir a ação de traficantes nas favelas da Coreia, Taquaral, Rebu e Vila Aliança. O delegado informou ainda que todos os mortos seriam criminosos. Com eles foram apreendidas armas.
Durante a operação, uma das equipes conseguiu chegar a casa de um dos chefes do tráfico e a um galpão usado por criminosos, mas a informação é de que traficantes estariam escondidos na casa de moradores.

No galpão, a polícia encontrou muletas e remédios que seriam do chefe do tráfico. Nas paredes havia muitas marcas de tiros. No fundo do galpão foi encontrada uma passagem para fuga. As equipes percorreram ainda várias casas.

Baixa frequência de alunos

A Secretaria municipal de Educação informou que poucos alunos compareceram às aulas em algumas escolas da região. Há cerca de dez escolas e quatro creches na área. Uma creche não chegou a abrir nesta manhã. Em outras escolas, apenas funcionários compareceram.

Sobe para nove o número de mortes no desabamento do teto da igreja Renascer

Uma mulher morreu às 6h30 desta segunda-feira na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo devido aos ferimentos causados no desabamento do teto da igreja Renascer no final da tarde deste domingo (18) no bairro do Cambuci, na região central de São Paulo. Socorrida com diversos ferimentos, Luiza Silva Tomiu é a nona vítima da tragédia. Cerca de 90 pessoas ficaram feridas devido ao desabamento.

Além dela, morreram Maria de Lourdes da Silva, Acir Alves da Silva, 80; Dalva Ferreira de Oliveira, 70; Maria Amelia de Almeida, 60; Maria Erlisa, 48; Silva Gomes Moreira, 50; e a adolescente Gabriela Lacerda, 15. Uma pessoa ainda não foi identificada.

Apu Gomes/Folha ImagemImagem da Igreja Renascer após desabamento do teto neste domingo. Bombeiros confirmam 95 pessoas feridas e nove mortas

Entre os feridos, um jovem de 26 anos corre risco de morrer. Fábio Jonas de Oliveira, 27, sofreu afundamento de crânio, passou por cirurgia e permanece na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital das Clínicas.

As vítimas do acidente, segundo a assessoria de imprensa da denominação, foram encaminhadas para os prontos-socorros Vergueiro, Jabaquara, Vila Maria e hospital São Camilo.

A avenida localizada em frente à Renascer foi liberado pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) por volta das 4h50. Entretanto, a empresa recomenda evitar tráfego pela região.

Tragédia

A capacidade do prédio da sede da Renascer é para cerca de 1.800 pessoas sentadas. Trata-se do maior templo da igreja evangélica –onde Kaká, jogador de futebol do Milan, casou-se em 2005. O local também chegou a ser alvo de um incêndio, sem deixar vítimas, em setembro de 2006.

Segundo fiéis e vizinhos da igreja, o prédio passou por reforma havia três meses. A Renascer nega e diz que apenas a fachada teve a pintura renovada. Presidente da Renascer, o bispo Geraldo Tenuta Filho disse que a documentação e a manutenção do templo estavam em ordem.

A igreja afirmou ainda que toda a documentação do imóvel estava em ordem, e uma frente voluntária de pastores e bispos já foi montada para percorrer os hospitais que receberam as vitimas.


Arte/Folha Online

Mapa mostra localização da sede mundial da igreja Renascer, em São Paulo; teto da igreja desabou na noite de domingo, no intervalo entre cultos, e deixou nove pessoas mortas e mais de 90 pessoas feridas

Começa a padronização das roupas

Publicado: 15 de janeiro de 2009 em Economia, São Paulo
Começa a padronização das roupas
Primeira fase será com as meias
EPTV Ribeirão

A Associação Brasileira do Vestuário (Abravet) lançou nesta quinta-feira (15) em São Paulo a padronização de roupas. A primeira fase será com as meias. Entre março e abril, a medida chega ao infantil. Nas roupas masculinas e femininas, o início é no segundo semestre.

Hoje, ao comprar uma roupa, os clientes precisam encontrar uma que sirva, mas nem sempre o número procurado serve. Rafael Moura, que trabalha com manutenção geral, foi comprar uma calça número 42, mas teve que levar uma número 44.

A padronização não é uma lei, mas para o setor, além de proporcionar conforto para os clientes, ela poderá reduzir as piratarias e as importações.

“Essa medida veio tarde. Adotando de imediato, vai beneficiar a população”, disse o presidente da Associação dos Alfaiates, Alberto Ivo de Medeiros.

As roupas padronizadas levarão um selo de qualidade.