Datena vai às ruas em novo programa na Band

Publicado: 16 de outubro de 2009 em Band, Jornalismo
Datena vai às ruas em novo programa na Band

Foto: Agência Na Lata
O apresentador José Luiz Datena
O apresentador José Luiz Datena

A partir da próxima segunda-feira, além do Brasil Urgente, o jornalista José Luiz Datena vai comandar mais um programa na Band. No SP Acontece, Datena vai às ruas fazer reportagens e se envolver diretamente com temas de utilidade pública e prestação de serviço. O jornalístico será exibido das 13h às 14h10, de segunda a sexta. Veja o que o apresentador tem a dizer sobre o novo programa:

JustificarVocê vai às ruas fazer reportagens? O que exatamente e por quê?

Pretendo fazer reportagens nas ruas sobre temas que abordam a coletividade e a sociedade de forma direta. O cara que pega ônibus vai responder sobre a dificuldade que ele tem em pegar ônibus. Quem usa o serviço público vai falar sobre a dificuldade em usar o serviço público. Um repórter perguntar para alguém e eu comentar, é uma coisa. E outra é quando a pessoa fala diretamente comigo. É diferente. Esse vai ser um canal de interatividade bacana. A gente tem blog, twitter, tem tudo, mas nada melhor do que falar com as pessoas olhando para elas. Mesmo porque, o cara que trata de segurança pública anda com carro blindado, o que trata de transporte coletivo jamais pegou um ônibus. Eu, por exemplo, não pego ônibus. Então, tenho que falar com as pessoas na rua para entender o que elas sentem, o que elas passam. E também pretendo fazer matérias em pontos turísticos da cidade, pontos folclóricos como o Mercadão, por exemplo. O Mercadão tem uma seleção de pessoas, uma miscigenação de raças e de gente que vem do Brasil inteiro. Lá, tem gente da Paraíba, do Mato Grosso do Sul, do Norte, do Nordeste, de Porto Alegre, do Centro-Oeste, tem o cara de São Paulo… Você encontra um micro universo num simples bate papo num bar do local e entende o que as pessoas pensam do Brasil. Se for no Pernil do Estadão é a mesma coisa. Isso que é legal, essa interatividade. Sempre com assuntos sociais e às vezes coisas curiosas que a gente vê por aí.

De fato esse contato é importante, mas você gosta?

Eu gosto muito desse contato direto. Sou repórter. Ganhei dois prêmios Vladimir Herzog de Jornalismo fazendo reportagens. Estou apresentador, mas eu sempre tive contato com o público. Acho que é por isso que eu sempre dei certo como apresentador. Porque eu faço do Brasil Urgente uma grande reportagem todos os dias. Esse contato meu com o público sempre foi a grande força que eu tive na minha carreira.

Qual a importância de um noticiário regional hoje em dia?

A maior de todas. Um noticiário regional tem toda importância. Acho que a Band está descobrindo isso, como grande conglomerado de comunicação, antes das outras. Acredito que o jornalismo regional forte é o que acontece nos EUA, por exemplo. Toda cadeia americana tem um jornalismo regional muito forte. A população quer saber o que está acontecendo em sua cidade, debaixo do seu nariz.

Como vai ser abordado o tema “segurança pública” nesse novo programa?

A parte policial do programa será como em todos os outros jornalísticos da tevê brasileira. É simplesmente o que todos fazem: matérias policiais disfarçadas de sociais. Só que a única diferença aí é que eu vou fazer a matéria policial dizendo que se trata de uma matéria policial. Eu não vou fazer com o cinismo que todos fazem. Então, vai ter matéria de polícia. Vai ser um jornal policial? Não. Mas vai ter matéria do gênero. Porque você não pode ser candidato à Presidência da República, não pode ser um professor de faculdade, não pode ser um médico, um advogado, um gari se não discutir hoje esse tema básico que é segurança pública. Não adianta rotular: ´ahh, programa policial´. Policial ou não, nós vivemos num país onde a segurança pública é um dos itens mais importantes a serem discutidos. Tanto que esse tema só existe e é discutido porque nós temos um abismo social imenso. Agora, antes de tratar do abismo social, de uma forma cínica, a gente mostra o problema da segurança pública. Tem que melhorar o estado de leis, para se garantir o estado de direito, para se melhorar a condição de policiamento preventivo. Porque não adianta só melhorar o social. O social só vai melhorar em 50 anos. Mas você tem que coibir o bandido que está te atacando nas ruas. Se não, nós viramos carne moída de bandido. Então, nós vamos ter matéria policial, mas não vai ser o foco do programa. É diferente do Brasil Urgente, que é um programa policial, com muito orgulho, porque segurança pública é um tema que todo mundo discute. Alguns vomitam na sua frente ao ouvir falar de segurança pública, mas chegam em casa olhando para entrar no portão para ver se não tem algum bandido esperando para assaltar. Nós discutimos segurança pública e saúde, por exemplo, num mesmo plano. Só que esse jornal vai ter menos polícia do que o Brasil Urgente que é sim um jornal policial. Qual é mais importante? Não sei. Não tenho vergonha de fazer nenhum dos dois.

É verdade que o SP Acontece vai ter receitas?

Acho que é legal mostrar de tudo. Até receita. Por exemplo: mostrei um restaurante de peixe outro dia aqui no Brasil Urgente e o pessoal ficou maravilhado, querendo saber onde é o tal lugar. É aquilo que eu falei: você não precisa fazer um jornalismo fechado. Porque tudo interessa a todos. Tem de tudo um pouco. Acho legal esse negócio de receita. Aliás, gordo que não gosta de receita, não é gordo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s